Make your own free website on Tripod.com

T & D® - MEDICINA


mmurad.gif (42929 bytes)
"Ser oncologista é complicado.

Todo profissional gosta de fazer algo que se traduza em sucesso.

O cirurgião plástico, por exemplo, reconstroi uma mama e sua carreira se confunde com o sucesso. O oncologista nem sempre obtém a cura, ou seja, a solução do mal do paciente. Porém, a tarefa do oncologista, na realidade, é tratar o paciente trazendo-lhe conforto e qualidade de vida. Ser oncologista é uma missão".

Dr. André M Murad

Dr. André Márcio Murad, formado em 1984 na Faculdade de Medicina da UFMG. Fez, inicialmente, residência por 2 (dois) anos em Clínica Médica no Hospital das Clínicas de Minas Gerais. Neste período começou a trabalhar com pacientes portadores de câncer, especialmente os de leucemia. A princípio, queria fazer residência em cardiologia, mas ao trabalhar com oncologia, percebeu que a especialidade era muito mais atraente. Sentiu-se estimulado ao perceber que pacientes em estado de leucemia aguda, muito anêmicos, depalperados, com infecção, sangrando, etc . saiam praticamente recuperados em alguns dias de quimioterapia. Foi quando decidiu trabalhar na área de oncologia.

Fez então, outra residência na área de hematologia no Hospital das Clínicas. Em seguida mudou-se para os Estados Unidos para complementar seus estudos de especialização, onde especializou-se em oncologia e em hematologia.

Sendo aprovado num teste, conhecido por ECFMG, que objetiva selecionar médicos estrangeiros candidatos a uma residência nos EUA, pleiteou residência em oncologia e hematologia no Fox Chafe Cancer Center, na Filadélfia (Pensilvânia). Como residente, teve nessa época, oportunidade de participar de alguns estudos clínicos. Com saudades do Brasil, após 2 (dois) anos nos EUA, preferiu não aceitar o convite de trabalhar no hospital americano e retornou para Minas Gerais, para trabalhar no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

Voltou como especialista em medicina interna, em oncologia e hematologia.

Começou então, a trabalhar no ambulatório de oncologia do Hospital das Clínicas, logo ocupando cargo de chefia do mesmo, anteriormente de responsabilidade do Dr. Caetano Cançado então aposentado.

Aprovado no concurso para professor do departamento de clínica médica da faculdade de medicina da UFMG, criou a disciplina de oncologia, lecionando então nas disciplinas de clinica médica, oncologia e hematologia.

Desde então, tem coordenado um grupo de colegas e um setor bastante eficiente de pesquisa na área de oncologia. Em 11 anos de intensa atividade científica, já publicaram 130 trabalhos em revistas especializadas. Destes, 32 em revistas internacionais do mais alto prestígio na área de câncer, como o Journal of Clinical Oncology, Cancer, International Journal of Gynecologic Oncology , American Journal of Clinical Oncology e Annals of Oncology. Seus trabalhos são divulgados em congressos no Brasil e no exterior, já tendo tido a oportunidade, por várias vezes, de apresentar seus trabalhos em congressos da maior importância, como o da Sociedade Americana de Oncologia Clínica e o da Sociedade Européia de Oncologia Clínica.

Fez Mestrado na Escola Paulista de Medicina, em ginecologia, onde desenvolveu um estudo combinando de forma inédita três medicações _ bleomicina, ifosfamida e carboplatina _ esquema BIC, para o tratamento quimioterápico de pacientes portadoras de câncer de colo de útero avançado. Tal estudo foi por várias vezes premiado no Brasil e no exterior. Atualmente, tem utilizado tal combinação no tratamento de pacientes com câncer de colo uterino não mais passíveis de tratamento cirúrgico, pelo tamanho extenso do tumor. Em 70% das pacientes, consegue-se uma redução tal do tamanho tumoral, que a cirurgia é novamente possível de ser realizada.

Posteriormente, fez Doutorado em Gastroenterologia na UFMG. Desenvolveu então um estudo inédito, utilizando a combinação de duas drogas _ o taxol e o fluorouracil no tratamento de pacientes com câncer de estômago. Neste estudo, demonstrou-se que, mesmo pacientes com câncer de estômago em fase muito avançada, conseguiram uma média de sobrevida superior a um ano, incluindo alguns casos de pacientes vivos após 3 (três) anos do início do tratamento.

O Dr. André Márcio Murad está fazendo parte da publicação de `Who's Who In the World' de 1999, revista que apresenta bibliografias de personalidades que se destacam em diversas áreas, como ciência, política e artes.

Tem testado várias drogas em parceria com organismos internacionais dos quais é membro, como o GETLAC (Grupo Latino Americano de Estudos de Oncologia), IGCS (Sociedade Internacional de Câncer Gástrico), Sociedade Internacional do Câncer Ginecológico e SOAD ( Fundação Sul americana de Desenvolvimento de Novas Drogas em Câncer).

Ocupando também, o cargo de vice-presidente da SOAD tem realizado pesquisas de drogas nas fases pré clínicas e clínicas. A entidade tem realizado pesquisas e testes em plantas potencialmente medicinais, principalmente da Amazônia. O trabalho destaentidade consiste, basicamente, em fazer entrevistas com os nativos que sugerem quais são as plantas indicadas para cada tipo de câncer. Então essas plantas são colhidas e levadas para o laboratório, onde separam-se os princípios ativos aos quais são juntadas células de cultura do tumor e realizam-se testes para verificar a eficácia da droga. A flora da Amazônia traz grandes expectativas para os oncologistas.

Um remédio passa por várias fases até ser verdadeiramente considerado eficaz, demorando anos para se tornarem, ou não, aplicáveis.

A droga mais espetacular dos últimos 15 anos, o taxol, é derivado de uma árvore chamada de Teixo do Pacífico, um pequeno arbusto encontrado no oeste dos Estados Unidos

e na Europa e já eram usados em forma de chá pelos índios até que foram realizadas pesquisas mostrando sua grande eficácia em cânceres como os de ovário, mama. e pulmão.

Ë autor de dois livros de oncologia: "Oncologia: Bases Clínicas do Tratamento", o qual tem se tornado referência bibliográfica para todos os cursos de Oncologia no Brasil, e "Manual de Oncologia Ginecológica" , além de ter escrito capítulos de vários livros, inclusive estrangeiros.

Na sua clínica particular, a CENANTRON – Centro Avançado de Tratamento Oncológico, em Belo Horizonte – MG, atende aos pacientes portadores de todos os tipos de câncer. A Cenantron é uma clínica onde trabalham médicos e profissionais especializados no tratamento de ponta aos pacientes oncológicos, utilizando-se para tal os mais modernos medicamentos disponíveis. O atendimento aos pacientes é feito de maneira individual e personalizada, procurando-se sempre um tratamento que permita ao paciente uma vida relativamente normal.

No ambulatório do Hospital das Clínicas, atende aos pacientes carentes e ressente-se da escassez de recursos do SUS que impede a utilização de drogas mais modernas e, consequentemente mais caras, travando heróica batalha para proporcionar aos pacientes carentes os remédios necessários que melhorem a qualidade de vida dos mesmos. Os medicamentos para combater efeitos colaterais da doença – vômitos, infecções, etc., são caros, dificultando o tratamento de pacientes carentes.

Segundo Dr. André Márcio Murad, alguns pacientes conseguem ser voluntários em pesquisas e, assim, conseguem acesso às novas drogas.

A equipe de pesquisa do Hospital das Clínicas, criada por Dr. André Marcio Murad, no departamento de oncologia, é composta por estudantes, residentes, internos e estagiários bolsistas. A partir deste ano, está trabalhando também como orientador do Curso de Pós-Graduação de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da UFMG. Seu orientado desenvolve tese na área de quimioterapia do câncer de esôfago.

Como todo oncologista, o Dr. André M Murad relembra situações em que a busca científica por novas opções de tratamento aliada à obstinação em oferecer tratamento e conforto a pacientes mesmo considerados como "terminais", produziram resultados inesperadamente positivos. Relembra de uma paciente, advogada, de 36 anos, portadora de câncer de mama já disseminado, com metástases nos ossos, fígado e pulmões. Teve seu caso revertido através de uma nova combinação de medicamentos, utilizada em um estudo clínico: o taxol e a gencitabina, o que lhe proporcionou um controle efetivo do tumor. A paciente recuperou-se tão bem que casou-se recentemente.

Outro caso que lhe vem a lembrança é o de uma professora universitária com câncer de pâncreas. Ela foi operada mas a doença progrediu. Aceitou então participar de um estudo clínico e recebeu uma associação de medicamentos composta por fluorouracil e gencitabina. Viveu mais dois anos e meio com uma qualidade de vida muito boa voltando até a trabalhar.

Os pacientes, na maior parte das vezes, relata, chegam aos consultórios oncológicos em estado muito avançado da doença pois quando os primeiros sintomas surgem procuram se auto medicar mascarando os sintomas, como por exemplo, no caso de câncer de estômago, pulmão e intestinos. Faltam campanhas educativas por parte do governo, alimentação adequada, evitar o tabagismo e exposição ao sol em horários críticos, programas de diagnóstico precoce, dentre outros.

A qualidade de vida é algo que prezamos utilizando medicamentos que causem bem estar evitando-se drogas que causem reações como vômitos, infecção, etc, trazendo mais conforto e qualidade de vida aos pacientes.

No tratamento do paciente oncológico temos apoiando o oncologista o: ciurgião oncológico, radioterapeuta, mastologista, cirurgião de tórax – câncer de pulmão, psicólogos, fisioterapeutas, assistente social, dentre outros.

Estas são as mensagens que o Dr. André Márcio Murad transmite aos seus alunos diariamente. Desta forma, percebe paulatinamente o interesse dos alunos aumentar na área da oncologia. Em muitos casos o sucesso do tratamento de pacientes traduz-se num sentimento profundo em muitos alunos.

O esforço é válido na constante luta do combate e da cura do câncer. Com ânimo e coragem Dr. André Márcio Murad procura vencer todas as dificuldades que o tratamento do câncer proporciona ao oncologista na luta constante de uma cura para seus pacientes. Cada vitória soma-se aos esforços dos demais no combate a doença. Sua missão é sublime e grandiosa, embora difícil e espinhosa, porém seu entusiasmo e alegria, junto ao seu árduo trabalho, proporcionam aos enfermos o carinho e atenção de que necessitam. Sua perseverança na busca da cura já auxiliou a muitos.

Dr. André Márcio Murad não desanima diante das dificuldades impostas no tratamento de seus pacientes com câncer, com a revolta de familiares que perdem entes queridos após longa batalha contra a doença, da escassez de recursos e informações a pacientes e a profissionais da área médica, dentre outros.

Todos temos nossas lutas, mas só quem sabe suportá-las pode ser classificado de herói, de Homem, em toda a extensão do termo.

Por estas e outras razões

Dr. André Márcio Murad é gente que faz.

 

O jornal T & D Medicina agradece a atenção dispensada pelo Dr. André M. Murad